Horário de Brasília

MINISTÉRIO INTERNACIONAL SHALOM

MINISTÉRIO INTERNACIONAL SHALOM
Orem pela paz de Jerusalém (SL 122:7)

Sejam bem vindos.

Que o Deus de paz possa ensinar a vocês através desse blog.

Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Refutando uma postagem da página "Fatos Desconhecidos"

     Um dos maiores sucessos recentes na internet é o site Fatos Desconhecidos. Formado em 2010 tem como objetivo levar conhecimento ao usuário da internet, através de curiosidades rápidas e interessantes. Sua página no Facebook conta com mais de 5 milhões de curtidas. 
    Porém, nem sempre o que eles postam condiz com a interpretação que deve ser feita sobre o assunto. Em uma de suas postagens com o seguinte título: "7 histórias bizarras que você não vai acreditar que estejam na Bíblia", o site fala com uma falta de conhecimento prévio de todas as histórias, com uma superficialidade que chega ao cúmulo do ridículo e com um preconceito que beira à ignorância. O objetivo desse texto é mostrar a verdade sobre essas "bizarrices".
    Logo no começo da matéria o autor diz: "Que a Bíblia apoia que se bata em crianças para “educar”, que se mate mulheres infieis mas os homens saiam ilesos, que o roubo deve ser punido de maneiras desumanas mas os monarcas podem abusar de seu povo, todos nós sabemos". O autor parece ter um único objetivo aqui: dizer que a Bíblia apoia barbáries que ela não aprova. Quando a bíblia diz sobre educar com vara (PV 10:13; 13:24; 14:3; 22:8; 22:15; 23:13,14; 26:3; 29:15) ela está fazendo referência a autoridade que os pais devem exercer sobre os filhos e ensiná-los sempre. Já no caso das mulheres infieis,  a Bíblia não apoia a execução delas. Deus mandou que fossem mortas por quê o povo tinha um coração duro e se essa não fosse a punição usada iria haver uma propagação intensa do adultério. Basta lembrar que Jesus nos ensinou a perdoar (LC 17:4). A mesma questão se aplica com os ladrões. Agora aonde que a Bíblia apoia que os monarcas deviam abusar do povo. A monarquia bíblica não era autoritária, já que o rei deveria prestar conta aos reis, e nem era absoluta, eles não podiam fazer o que queriam fazer. Isso fica claro na hist´roia de Uzias (II CR 26:16-27).
    Seguindo em frente o autor começa a explicar as "histórias bizarras" que existem na Bíblia. A primeira delas se encontra em I Reis 18:25-27 (no texto do Fatos Desconhecidos ela aparece com referência errada) onde o rei Saul pede a Davi que este lhe dê cem prepúcios como dotes para casar com sua filha Mical. Davi obedece e lhe dá o dobro de prepúcios, ou seja, duzentos, como pagamento para, assim, poder casar com a filha do rei.
    Continuando no prepúcio o autor conta a história que está em Êxodo 4:24-26 quando Deus quis matar Moisés por ele não ter circuncidado seu filho, levando Zípora a circuncidá-lo. A circuncisão era o sinal da aliança de Deus com o povo naquela época, sendo isto um ritual. Por não ter cumprido a ordem, Moisés mostrou desdém com o seu chamado, já que como líder ele deveria dar o exemplo e circuncidar o filho. Mas Deus quis matar? Sim. Deus usa dos meios da época e naquela época a punição era a morte. Mas o que Deus queria é que isso fosse um ritual para levar o povo a reconhecê-lo que era Deus, pois vemos o profeta Jeremias dizer que o Senhor queria a circuncisão do coração do povo, mostrando que o Senhor desejava que a lei estivesse no coração com uma transformação completa (JR 4:4).
    A terceira história está localizada em Juízes 19:22-30 e conta a saga de um levita que busca a concubina e passa anoite numa cidade que não era a dele. O que acontece é um fato horripilante: os homens queriam ter relações sexuais com o levita e nessa parte vemos a ignorância do autor: "Todavia, no meio da noite, vários homens apareceram na casa do homem, exigindo que seu hóspede fosse entregue para ser estuprado. Mas, ao invés disso, novamente o bom samaritano que sabia que o seu hospede era na verdade um anjo, agiu de novo, e ofereceu sua filha – virgem – no lugar do viajante. Se você acha que alguém vai salvar a pobre donzela, enganou-se: ela morreu sangrando até a morte, e seu noivo, quando a encontrou, a despedaçou e distribuiu seus restos entre as 12 tribos de Israel". Primeiro Samaria só foi existir séculos mais tarde (I RS 16:23,24). Segundo, não foi a filha do "samaritano", foi a noiva do levita (v. 25). E, por último, não era um anjo, era um levita, o autor em sua ignorância do assunto confundiu essa história com a história de Ló em Gênesis 19:5-9.  Devemos ficar com o autor de Juízes disse em seu último versículo o porque que isso acontecia: "Naqueles dias, não havia rei em Israel, porém cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos" (JZ 21:25).
      A próxima história é uma das mais polêmicas da Bíblia. É a história de Eliseu que se encontra em II Reis 2:23,24. Nessa história o profeta teria provavelmente amaldiçoado algumas crianças por estas estarem chamando eles de careca, e, como consequência, 42 deles são despedaçados por duas ursas ferozes. Hoje ateus e secularistas usam essa história para provar que os homens de Deus são crueis em seus atos e que Deus não é tão amoroso como a Bíblia declara. Mas o fato não é esse. Acontece duas coisas que precisam ser ditas: primeiro no hebraico original o termo usado para meninos queria dizer "rapazes em idade de trabalhar". Segundo Eliseu não amaldiçoou por que era chamado de careca, mas por que eles descriam da pregação do profeta, negando a subida de Elias ao céu. O termo amaldiçoar significa "chamar para o juízo divino", mostrando que eles estavam provavelmente ameaçando Eliseu e este usa da autoridade para que Deus tomasse conta da situação.
    E eles tinham que meter Jesus na confusão. Na história localizada em Mateus 21:19 e Marcos
História usada como bizarra, mas
que não tem nada de bizarro.
11:13,14
, o Mestre amaldiçoa uma figueira que não dava frutos. A intenção foi óbvia, mostrar que como Deus Ele comanda a natureza, portanto a figueira deveria obedecer e Lhe dar frutos. Para nós, representa que temos que dar fruto se não o nosso Mestre nos secará. Não tem nada de errado nessa história.
      Na próxima história não vejo nada de "bizarrice". Como pecadores jamais poderemos nos achegar a Deus, pois somos pecadores e a glória do Senhor nos consumaria. Tanto que Ele nos manda ser santo (LV 20:1, I PE 2:16), pois sem santidade ninguém O verá (HB 12:14). Por conseguinte, Ele não poderia se revelar a Moisés, porque mesmo sendo o profeta que libertou o povo, Moisés ainda era um pecador. Por isso, Deus lhe mostrou apenas as suas costas para que o profeta não o visse face a face e não viesse perecer. Deus se revela a nós, mas não por completo.
      A última história citada é a de Balaão e a mula em Números 22: 21-34 (eles citam só uma parte da história). Já se começa errado dizendo "Bíblia da Disney", mas sabemos que o Shrek foi lançado pela Dreamwork, ou seja, a incoerência começa aí. Mas seguem explicando a histórias, mostrando que o profeta falou com a mula e seguiram viagem. Essa história registra o fato de Deus usar o que  ou quem Ele quiser para nos dar salvação. Sendo Ele o Criador do mundo, Ele pode fazer uma mula conversar. 
      Essas histórias não tem nada de bizarras. Nelas está a essência da humanidade: ser pecadora. Deus não aprovava, nem jamais aprovou o que aconteceu nessas histórias (exceto a da figueira), mas Ele deixou o relato para que conhecêssemos a história da humanidade e para mostrar o quanto Ele é misericordioso, pois a Bíblia diz: "Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores" (RM 5:8). E é esse amor que Ele quer demonstrar nas páginas das Escrituras. Shalom a todos.

Bibliografia:
https://www.fatosdesconhecidos.com.br/7-historias-bizarras-que-voce-nao-vai-acreditar-que-estejam-na-biblia/
STAMPS, Donald, Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, Rio de Janeiro,2008.

      
          

sábado, 8 de novembro de 2014

Um comentário cristão sobre a história do Brasil e os últimos acontecimentos

    Há duas semanas atrás, 26 de outubro, o Brasil reelegeu nas urnas a presidente Dilma Rousseff (PT). Com mais de 54 milhões de votos, contra 51 de milhões de Aécio Neves (PSDB), ela se reelege para o segundo mandato dela e o quarto consecutivo do Partido dos Trabalhadores.
    Logo após a reeleição da presidente surgiram comentários preconceituosos, de ordem de classe de social, ofendendo o Nordeste e o seu povo como se eles fossem os "culpados" pela reeleição. Vemos gente sem escrúpulos ofender simplesmente por que seu candidato não se elegeu. Mais do que isso vemos a parte derrotada procurar de todas as formas anular o pleito sobre suspeitas de fraude eleitoral. Esse texto com, uma ótica sobre tudo oque está acontecendo, vem refletir sobre isso.
Manifestantes pedem o impeachement de Dilma,
em São Paulo.
    O primeiro ponto que quero relatar aqui é a falta de argumentos para se derrubar o governo Dilma com um impeachment. A Lei N° 1079, de 10 de abril de 1950, os seguintes crimes que qualificariam  I - A existência da União; II - O livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário e dos poderes constitucionais dos Estados; III - O exercício dos direitos políticos, individuais e sociais: IV - A segurança interna do país:V - A probidade na administração;VI - A lei orçamentária; VII - A guarda e o legal emprego dos dinheiros públicos; VIII - O cumprimento das decisões judiciárias (Constituição, artigo 89). Se lermos mais atentamente cada tópico veremos que a presidente não cometeu nenhum desses crimes. Ao contrário, os que pedem impeachment podem ser acusados no seguinte tópico da referida lei acima: "entreter, direta ou indiretamente, inteligência com governo estrangeiro, provocando-o a fazer guerra ou cometer hostilidade contra a República, prometer-lhe assistência ou favor, ou dar-lhe qualquer auxílio nos preparativos ou planos de guerra contra a República". Desse modo vemos que pedidos feitos aos EUA para intervir no governo não passam de inconstitucionais diante da Lei.
um impeachment:
     Outro ponto que gostaria de citar é o pedido de algumas pessoas para haver uma intervenção militar no governo. Com todo respeito, eles deveriam abrir os livros de história e ver os horrores que a ditadura militar fez no Brasil. Observar que eles mataram, estupraram, cometeram barbáries em nome de um governo que repreendia a opinião. Procurem e vejam. Observem nossa história. Vocês verão que é preferível ficar assim.
     Algo que precisa ser dito é que existe uma possibilidade quase zero de fraude nas urnas eleitorais, como supõem alguns. Como mesário, acho que o que fez meu colega lá de Campina Grande, foi um grande "sacrilégio", pois não se deve publicar numa rede social o que acontece nas sessões. Nesse caso, se foi verdade, ele deveria informar o cartória da respectiva zona eleitoral para que houvesse troca do disquete da mídia de votos. Afinal, o que possíveis quatrocentos votos faria de diferença a Aécio Neves. Quanto a urna do Rio Grande do Sul que "votava sozinha" pode-se dizer que é um problema técnico. Nesse caso, deve-se consultar na mídia de votos a hora que o último voto foi computado por alguém e excluir a sequência de votos feito pelo invisível.
     A Bíblia diz assim sobre os resultados das eleições: "Ele muda os tempos e as horas; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e ciência aos inteligentes" (DN 2:21). Portanto entendemos que é a vontade de Deus estabelecer os governantes no poder, seja para o bem, para que o seu povo possa ser exaltado, seja para o mal, para que seu povo possa acordar para a vida e começar a buscá-lo como Senhor e Salvador. O rei Salomão deixou escrito o seguinte texto: "Como ribeiros de águas, assim é o coração do rei na mão do SENHOR; a tudo quanto quer o inclina" (PV 21:1). Dessa forma, entendemos que Deus permite que os governantes tome decisões de acordo com a Sua vontade.
     Mas uma coisa quero ressaltar aqui: não votei em Dilma. Pelo contrário, aborreço as suas ideias sobre a política econômica, as coisas que seu partido faz contra os cristãos e o financiamento que faz a regimes ditatoriais em todo o mundo. Reprovo também as ideias originais do Partido dos Trabalhadores, como o socialismo marxista. Mas reconheço que foi Deus quem permitiu sua eleição, portanto devemos orar por ela (1 TM 2:1-4), pagar nossos tributos (RM 13:1-7) e honrá-lo como vindo de Deus (1 PE 2:14-17).
     Pois bem, Dilma ganhou sim e pode ser que ela transforme nosso país numa república bolivariana, como temem alguns. Mas uma coisa é certa: o que ela fizer será vontade do nosso Deus. Não temos então que procurar meios para dar um impeachment a ela. Oremos para que a nossa nação seja do Senhor (SL 33:12; 144:15) e ela seja usada por Ele da maneira que melhor Lhe agrade (2 TM 2:20). Shalom a todos.

Bibliografia:
STAMPS, Donald, Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, Rio de Janeiro, 2008.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l1079.htm
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/11/1542047-ato-em-sao-paulo-pede-impeachment-de-dilma-e-intervencao-militar.shtml
http://oglobo.globo.com/brasil/manifestantes-fazem-protesto-contra-reeleicao-de-dilma-em-sao-paulo-brasilia-14436719

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Como o pastor deve influenciar a igreja em tempos de eleição

    Chegou mais uma campanha eleitoral. E como sempre, vemos candidatos com as mais diferentes ideias políticas se apresentarem e proporem "soluções" para um Brasil melhor.
Pastor Everaldo, defende o liberalismo econômico
e as causas familiares.
    Mas esse ano algo chama a atenção. Pela primeira vez um pastor evangélico é candidato ao mais alto cargo da política brasileira. Candidato pelo PSC (Partido Social Cristão), o Pastor Everaldo propõe o
liberalismo econômico e a defesa das bandeiras e da causa evangélica pela família.
    Em meio há muita polêmica e muitos assuntos em pauta vemos pastores do Brasil inteiro apoiar o candidato do PSC. Silas Malafaia é o maior expoente dessa corrente. Seja no twitter ou através de seu site de notícias, o Verdade Gospel, ele está fazendo campanha "anti-PT", apoiando Pastor Everaldo, mesmo sabendo que as chances dele são pífias. E em meio a isso perguntamos: de que forma o pastor deve influenciar a igreja na época das eleições?
    A maioria dos pastores, principalmente no meio pentecostal, é unânime em indicar um candidato e fazer com que suas ovelhas também votem nesses candidatos simplesmente porque eles vão votar e isso indicaria a união do povo evangélico. Bem, a eleição prova a nós que somos totalmente desunidos. Pastores e ministérios inteiros apoiam candidatos diferentes, mesmo que esses candidatos sejam hostis aos princípios cristãos. Um exemplo é o "ditador" José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Comissão Geral das
Assembleias de Deus do Brasil, apoiar a reeleição da presidente (com E, nunca com A, afinal não falamos gerenta) Dilma Rousseff, mesmo o Partido dela tendo apoiado leis anti-bíblicas.
Pastor José Wellington, presidente das
Assembleias de Deus apoia Dilma
    Na minha opinião o pastor deveria se informar sobre os temas políticos em pauta na sociedade, não somente os que são importantes para os cristãos. Ao se informar com esses temas gerar uma opinião e levar o debate para o seio de suas ovelhas, fazendo com que elas entrem no debate político e, dessa forma, possam se conscientizar e escolher um candidato que esteja de acordo com que eles concordam. E quando eu falo de debate político, estou dizendo para o pastor apresentar os prós e os contras de todos os temas, só assim influenciará.
     Mas tem um outro ponto que devemos discutir: a escolha do candidato deve ser individual. Não devemos obrigar alguém a votar em fulano ou beltrano, mas sim fazer com que se escolha conscientemente, sabendo da responsabilidade que está postas nas mãos de todas. Não adianta pregar liberdade no púlpito e quando se trata de política ser um déspota, um ditador, que acha que as ovelhas não tem direito de pensar. Fogem do que foi escrito pelo profeta Jeremias: "E vos darei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com ciência e com inteligência" (JR 3:15). Só assim teremos a democracia começando dentro de nossas igrejas.
     Pois bem, que nessa eleição possamos entender o papel de cidadãos. Devemos ser influenciados por aqueles que pregam os nossos princípios (não só os cristãos, mas também os partidários). E termos a certeza que Deus não quer que pereçamos por falta de conhecimento (OS 6:3), mas sim que apregoemos a sua palavra que é útil para todos os setores. Shalom a todos.

Bibliografia:
http://www.sbb.org.br/interna.asp?areaID=71
http://midiadeofertas.blogspot.com.br/2014/07/jair-bolsonaro-anuncia-apoio-ao-pastor.html
http://mixcristao.com.br/cpad-realiza-o-lancamento-da-biografia-do-pastor-jose-wellington/

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

O Templo de Edir Macedo

    Na última quinta-feira, 31, a Igreja Universal inaugurou sua obra mais majestosa: o "Templo de Salomão". Com um custo de 680 milhões de reais e construído num complexo de 74 mil metros quadrados é o maior templo religioso do país e tem capacidade para dez mil pessoas sentadas. Sendo assim, vem se tornar um ponto importante da região da Avenida Celso Garcia.
    Mas será que a construção do templo tem base bíblica? Será que não passa de um ato de ostentação e de um meio da Universal conseguir mais fama no Brasil? Será que vai além de uma construção religiosa? Devemos parar para ver alguns pontos e observar o que a Bíblia tem a dizer sobre o assunto.
    Em primeiro lugar devemos avaliar o tamanho do templo. Ele tem 74 mil metros quadrados de área e tem 56 metros de altura. Muito além do templo construído por Salomão: aquele tinha "vinte e sete metros de comprimento por nove de largura, por treze e meio de altura" (I RS 6:2, NTLH). Parece que a Universal ou errou as medidas ou colocou tamanho diferente de propósito. Esse templo é 4 vezes mais alto e tem uma área 304 vezes maior que o templo original, mostrando que já nesse quesito está longe do padrão bíblico. 
Templo fica no Brás e é
a maior obra religiosa do país.
    Outro ponto que devemos avaliar é o local que o templo foi construído. O de Israel foi construído na Eira de Araúna, local onde a praga havia sido apaziguada (II SM 24:17-25). Este de Macedo foi construído em São Paulo, longe do povo de Israel e mostrando que ele de novo fugiu do que a Bíblia diz. O Monte foi escolhido por Deus em Jerusalém, não tinha intenção de fazer em um local totalmente fora dos seus caminhos.
    Temos que avaliar também que nós somos o templo vivo de Deus na Terra, após a Nova Aliança, já que o Espírito Santo habita em nós (I CO 3:16;6:19). Através de nós, o Espírito Santo flui às outras pessoas e podemos levar o Evangelho. A construção desse templo foge do propósito, uma vez que ele é o modelo da Antiga Aliança. Somos a verdadeira igreja, o Espírito habita em nós e não precisamos de uma obra monumental dessa.
    Um ponto, talvez o mais polêmico, a ser avaliado é o fato que a instituição em si referida como construtora do templo vendeu bênçãos para que este fosse erguido, lembrando muito o que a Igreja Católica fez para erguer a Basílica de São Pedro. Poucas pessoas falam desse ponto e nem lembram que a Universal vendeu indulgências, de uma forma diferente. A da igreja romana era para salvar as almas do Purgatório, a da Universal era pra você ter uma vida abençoada e feliz, com a riqueza que o Senhor te dá.
    O templo de Salomão, o verdadeiro, não foi construído, nem esteve sobre investigação. A obra da Universal aconteceu com alvará de reforma, quando na verdade deveria ter ocorrido com alvará de construção. Se tivesse o alvará certo a IURD deveria doar uma parte do terreno para a construção de casas populares. O Ministério Público abriu investigação para averiguar a denúncia. Um templo verdadeiro para o Senhor jamais deveria deixar qualquer duvida a seu respeito sobre a construção.
    Devemos ter em mente as palavras de Salomão ao dedicar o templo que ele construiu. O sábio rei disse: "Mas, na verdade, habitaria Deus na terra? Eis que os céus e até o céu dos céus te não poderiam conter, quanto menos esta casa que eu tenho edificado" (I RS 8:27). O que ele quis dizer, é que a glória de Deus é tanta que nenhuma igreja ou local construído para Ele é suficiente para contê-la. As igrejas existem para que possamos ter comunhão com pessoas que adoram o mesmo Deus que nós e que tem como propósito a salvação dos escolhidos. No caso do templo de Macedo, ele foge de lógica, pois foi construído simplesmente para ostentação.
    Não devemos nos impressionar com tal coisa. Os homens querem fama a si mesmo e as suas obras mesmo que elas fujam do padrão divino. Que possamos, pois, pregar o verdadeiro Evangelho e ter a certeza que Deus não precisa de igrejas megalomaníacas, mas sim de pessoas que queiram unicamente cumprir a ordem de Jesus (MC 16:15). Shalom a todos.

Bibliografia:
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/07/templo-de-salomao-e-inaugurado-em-sao-paulo.html
http://sbb.org.br/interna.asp?areaID=71


sexta-feira, 20 de junho de 2014

O que Jesus quis dizer quando se referiu a abominação da desolação?

    Um dos assuntos mais fascinantes e discutidos no meio cristão é a escatologia, que é a parte do cristianismo que trata sobre o fim dos tempos. Por causa disso, milhares pessoas tem duvidas sobre o assunto. Essa postagem é escrita para responder uma dessas duvidas.
    No meu espaço de perguntas um irmão perguntou o que interpreto sobre o seguinte texto bíblico: "Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo (quem lê, que entenda)" (MT 24:15). Até gostaria de pedir perdão pelo tempo em que demorei para responder. Mas esse texto se refere a outro texto bíblico misterioso: "E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das abominações virá o assolador,  e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador" (DN 9:27). Vou responder essa dúvida baseado na interpretação dispensacionalista que acredito ter mais coerência bíblica.
    Para entendermos o que Jesus quis dizer, devemos estudar algo muito central para a escatologia: as setenta semanas de Daniel. Como não disponho de tempo suficiente e o objetivo da postagem não é esse, vou explicar resumidamente o que é as setenta semanas de Daniel, em que cada semana representa sete anos. As primeiras sete semanas representam o mandado de Ciro para reedificar Jerusalém. Assim, elas somam 49 anos (DN 9:25; ED 6:1). A segunda parte das semanas equivalem a sessenta e duas delas ou 434 anos, é o tempo da morte de Cristo, por volta do ano 27 da era cristã (DN 9:26). A última semana serão os sete anos de Tribulação, mas elas ainda não ocorreram, já que para isso é necessário o arrebatamento da igreja, o fim da plenitude dos gentios (RM 11:25).
    Quando Jesus fez referência ao texto de Daniel, Ele estava falando justamente do sacrifício que o Anticristo fará no meio da última semana, ou seja, ao passar os primeiros três anos e meio de Tribulação. Nesse texto, no grego original, temos a referência a "idolatria". Nesse sentido, a abominação da desolação será o momento em que o Anticristo se declarará Deus, colocará uma imagem sua no altar e fará sacrifícios profanos no lugar santo, o novo templo judeu em Jerusalém.
     Pois bem, essa é minha simples explicação sobre o texto de Mateus. Jesus nos mandou estar apercebidos e entender Daniel, para não sermos enganados. Que possamos então pregar, cumprir a vontade de Deus e viver para não vermos a abominação da desolação no santuário. Shalom à todos.

Bibliografia:
STAMPS, Donald, Bíblia de Estudo Pentecostal, Rio de Janeiro, CPAD, 2008.
SACRAMENTO, Agnaldo, O Rei Jesus está voltando, São Caetano do Sul, Edições Shalom, 1998.

domingo, 1 de junho de 2014

Qual a origem das miscigenações modernas? Parte 2 - O que a Bíblia diz!!!

    Há algumas semanas postei no blog a primeira parte do estudo que trata da origem da miscigenação atual. Tratei de explicar as teorias bíblicas e mostrar como estas teorias não tem nexo. Hoje vou mostrar como elas provavelmente surgiram.
     A única referência bíblica sobre origem de miscigenação está em Gênesis 11 com a divisão das línguas. Dessa forma, a Terra deixou de ter um idioma único para ter um vários idiomas ao longo dos séculos. Sabemos que existem grupos de línguas que caracterizam alguns povos, exemplo, as línguas latinas caracterizam os povos de fala portuguesa, espanhola e francesa. Assim sendo, a divisão das línguas foi a principal característica que levou a miscigenação.
     Mas se a Bíblia não nos diz nada, como explicar a miscigenação? Simples, elas surgiram com o dilúvio, que alterou a Terra em diversos aspectos. Devemos imaginar que logo após o dilúvio a população do planeta estava apenas em oito pessoas. Deus então mandou elas darem a luz filhos e repovoar a Terra (GN 9:6). Só que com as mudanças climáticas recorrentes do dilúvio, cada população que ia se expandindo ganhava as características daquele clima.
     Um exemplo disso são os povos que nós dizemos que tem os "olhos puxados". Segundo a explicação de vários especialistas, seus se tornaram daquele jeito porque a concentração de raios solares naquela região é muito forte. Por causa disso a única maneira do homem poder enxergar ali sem danificar seus olhos era que eles se "fechassem" e pudessem proteger os orientais. Por isso, eles tem os olhos puxados.
     Outro fato importante é que a cor dos olhos, da pele e do cabelo são caracterizados pela presença de melanina, substância responsável pela pigmentação na pele.  A melanina é a denominação de uma classe de compostos poliméricos derivados da tirosina, segundo o site Wikipédia. A cor negra depende dela e a sua falta causa o albinismo. Devemos entender que fatores como a exposição ao sol, a alimentação e outros ajudam na mudança da cor da pele. Basta observarmos a quantidade de pessoa que nasceram com a pele branca e hoje são "queimadas do sol".
     A Bíblia declara: "E de um só fez toda a geração dos homens para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação" (AT 17:26). Entendemos então que todos, independentemente da raça, cor, sexo ou religião descendem de Adão. O objetivo da Bíblia não é mostrar como todas as raças surgiram, nada disso. É mostrar como o homem deve chegar-se a Deus e buscar salvar a sua alma.
    Pois bem, Deus quer que todos os homens se salvem (TT 2:4). Ele diz em sua palavra: "Depois destas coisas, olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos" (AP 7:9). Dessa forma, Deus quer que todos se reúnam com Ele na glória, sem miscigenação, para que o adoremos para todo o sempre. Shalom a todos.

Bibliografia:
STAMPS, Donald, Bíblia de Estudo Pentecostal, Rio de Janeiro, CPAD, 2008.


sábado, 3 de maio de 2014

Qual a origem das miscigenações modernas? Parte 1 - As teorias bíblicas.

    A diferença entre os seres humanos de todo o mundo, geralmente é entendida como algo natural na escala evolutiva. Assim sendo, somos diferentes pelos genes transmitidos por nossos pais através dos cromossomos, que herdamos na fusão do espermatozoide com o óvulo.
    Em meu espaço para dúvidas fui questionado por um leitor sobre as diferentes miscigenações e suas origens. Dúvida essa que é frequente no meio cristão, já que sabemos que Deus criou o homem de uma única maneira e as diferenças são estranhas. 
    Antes de começarmos a explicação devemos explicar algumas teorias que tentam explicar a origem das raças. A primeira delas é a teoria da maldição de Cam. Segundo essa teoria Noé teria amaldiçoado seu filho Cam após este ter lhe visto nu e não ter virado o rosto. Assim sendo, as gerações de Cam deram origem ao povo negro e a miséria da África seria resultado dessa maldição (GN 9:25). Assim sendo, o povo negro seria resultado de uma maldição, de algo ruim que aconteceu.
     A segunda é a de que Deus teria marcado Caim com a cor negra na sua pele. Segundo dizem, a marca que Deus pôs em Caim após este matar seu irmão Abel, era a cor negra, que faria dele diferente dos outros (GN 3:15). Dessa forma, a cor negra teria origem no pecado, no mal. Não há base para crermos nisso. Afinal Deus poderia ter deixado Caim manco ou ferido ele de uma forma que lembrasse oque ele fez com seu irmão. Não significa que ele ficou negro.
     Uma terceira teoria que ouvi há algum tempo é a de que os ruivos teriam surgido pelo pecado de Adão e Eva. Segundo a pessoa que me contou, por ser feitos da terra eles deveriam ter a pele avermelhada. Tanto que a palavra hebraica para o homem natural é adam, que significa vermelho. Por isso, todos que tem essa cor de cabelo são pecadores, pois essa cor passou a seus cabelos. Por isso, Davi era desprezado por seus pais.
     Vemos que essas teorias são infundáveis e não tem base bíblica quando as avaliamos. Elas tiveram origem com o preconceito e a discriminação, para que alguns dominassem outros apenas usando essas teorias. A Bíblia não pode ser usada para dominação, nem para exploração. Cristo nos chamou para a liberdade (GL 5:1), portanto, usar a Bíblia como dominação é ir contra Cristo.
     Não temos, pois, que acreditar em qualquer teoria furada sobre a origem das raças. Devemos avaliar o que a Bíblia realmente diz. Na próxima postagem entrarei nesse mérito e mostrarei como surgiram as raças de acordo com a Bíblia e o que Deus pretende com isso. Shalom a todos.

Para saber mais sobre a primeira teoria, clique aqui e veja a postagem.

Bibliografia:
STAMPS, Donald, Bíblia de Estudo Pentecostal, Rio de Janeiro, CPAD, 2008.



  

domingo, 27 de abril de 2014

Respondendo dúvidas sobre Adão e Eva

    Há algumas semanas recebi no meu espaço a seguinte dúvida da leitora Larissa dos Santos: "Tenho muitas dúvidas sobre Adão e Eva, algumas pessoas acreditam na pré historia e se ela realmente existia, onde Adão e Eva estavam?? eles foram expulsos do paraíso e depois o q aconteceu? como eles tiveram netos? seus filhos se relacionaram uns com os outros?? por favor essa dúvida me persegue se puder me ajudar agradeço!!" E essa dúvida que eu irei responder nessa postagem.                   
    Quando vamos estudar toda a História da humanidade compreendemos a pré-história como todo o período em que não havia escrita. Mas nessa pergunta compreendi pré-história como a era do Homem de Neanderthal, dos mamutes, enfim, a pré-história biológica. Nesse sentido a pré-história não ocorreu. Por que essa é uma fantasia evolucionista e devemos avaliar que o homem da pré-história comia carne, como a de mamute. Deus proibiu o homem de comer carne no jardim (GN 1:16,17).
    Não há como associar Adão e Eva com a pré-história evolucionista. São coisas completamente diferentes. Afinal o Homem de Neanderthal teria supostamente evoluído do Australopithecus até chegar na homem moderno. O Adão foi criado a imagem e semelhança de Deus, da forma que é (GN 1:26, 2:7).
    Ao serem expulsos do paraíso eles tiveram que aprender a viver em outro lugar do planeta. A Terra não se resumia só no Éden, pelo contrário, este era só uma parte dela (GN 1:9,10). Eles teriam que trabalhar e aprender a viver na Terra como Deus disse: "Espinhos e cardos também te produzirá; e comerás a erva do campo. No suor do teu rosto, comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado, porquanto és pó e em pó te tornarás" (GN 1:18,19). Sendo assim, eles viveram trabalhando e cuidando de seus filhos em algum lugar daquela região.
    A última dúvida talvez seja a mais difícil de se entender. Sim, os filhos se relacionavam entre si. Não foram só Caim e Abel que nasceram deles. A própria Bíblia é clara: "E foram os dias de Adão, que gerou a Sete, oitocentos anos, e gerou filhos e filhas" (GN 5:4). Nasceram sim outros filhos, mas Caim e Abel são os principais por que Deus quer mostrar que toda a humanidade se desenvolve em torno dos dois: os maus de Caim e os bons de Abel.
     Foi necessário a relação sexual entre os irmãos no começo para que a humanidade pudesse se desenvolver. Depois Deus proibiu por completo, para que o homem pudesse respeitar as mulheres da sua família (LV 18:7-17). Hoje parece um pouco difícil entender isso, pois para nossa sociedade isso é abominável e realmente é. Mas no começo foi preciso para que o homem pudesse se expandir sobre a Terra.
    Adão veio ser modelo de alguém maior que ele: Cristo. Em Cristo a história da humanidade foi reescrita de forma que podemos ter nova vida e ser nova criatura (II CO 5:17). Tudo aconteceu para que Deus pudesse nos fazer chegar a Ele. Adão errou sim, mas Cristo cumpriu toda a vontade de Deus de forma que podemos nos achegar em Deus com Ele.
    Espero ter respondido sua dúvida Larissa e a de várias outras pessoas. Adão foi feito alma vivente e em Cristo somos feitos em espíritos vivificantes (I CO 15:45). Que possamos entender a Bíblia e viver de acordo com ela. Deus nos dá a sabedoria e que possamos usar da maneira correta. Shalom a todos.

Bibliografia: 
STAMPS, Donald, Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, Rio de Janeiro, 2010.

domingo, 16 de março de 2014

As "Luas Sangrentas"de 2014 e o Apocalipse

    Nesse ano de 2014 um fenômeno misterioso e raro vai acontecer: as luas sangrentas, fenômeno esse em que as luas se tornam vermelhas como sangue, obviamente. E em meio a revelação das datas desses fenômenos, muitas coisas já foram ditas e é preciso se esclarecer algumas. Esse texto vem mostrar o que esse fenômeno tem a ver com uma profecia apocalíptica.
    Algo que chama a atenção é que essas datas acontecerão em feriados judaicos. Dias em que os judeus comemorarão a Páscoa e a Festa dos Tabernáculos. Em meio a isso um eclipse solar acontecerá em março do próximo ano, antes que aconteça as duas luas sangrentas de 2015, ambas, também na Páscoa e na Festa dos Tabernáculos. Esses fatos levaram a um texto bíblico antigo que nós usaremos como base e explicação sincera.
    O texto é esse: "E, havendo aberto o sexto selo, olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de silício, e a lua tornou-se como sangue" (AP 6:12). Podemos ver por esse texto uma profecia que nos fala algo parecido com esse fenômeno.O fato de as datas também serem em datas importantes para os judeus, chama a atenção para o cumprimento do Apocalipse já esse ano.
 
Lua sangrenta. Fenômeno acontece
esse ano em datas judaicas.
Por causa disso, muitas pessoas estão dizendo que isso se trata de um sinal de Deus. Algo que o  Senhor quer nos revelar sobre o futuro da humanidade e do seu povo. Baseado nisso vou comentar essas explicações de acordo com a interpretação dispensacionalista do Apocalipse, que é a que acredito ter mais coerência bíblica.
    Esse texto citado acima, se encontra numa sessão de Apocalipse conhecida como pragas dos selos, quando o Cordeiro, ressurreto, abre o livro selado e começa a julgar a humanidade. Só que esse versículo se refere ao sexto selo. Antes dele há mais cinco que não se tem referência: os quatro cavaleiros e os mártires debaixo do altar (AP 6:1-11). E os selos estão em ordem cronológica, como se vê no texto (primeiro, segundo, etc). Sendo assim, é impossível que esse versículo se refira a esse fenômeno.
   Seguindo o texto de Apocalipse, vemos esse versículo: "E as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira lança de si os seus figos verdes, abalada por um vento forte. E o céu retirou-se como um livro que se enrola; e todos os montes e ilhas foram removidos do seu lugar" (AP 6:13,14). Observemos que o texto faz referência há uma chuva de meteoritos e há um sinal que acontecerá, em que o céu se enrolará. Logo após o sol se enegrecer e a lua sangrar. Mais uma vez essa ideia é refutada.
    Mas tem algo que precisa acontecer para se vim as pragas dos selos: o arrebatamento. Descrito em I CO 15:51-58 e em I TS 4:13-18, que para nós, dispensacionalistas, ocorrerá antes da Tribulação. Quando a igreja for arrebatada, dará início um período conhecido como Grande Tribulação, onde esses sinais ocorrerão. É claro que o arrebatamento pode acontecer até lá, mas os sinais dos selos tem que acontecer também.
    Outro fato curioso é que algumas pessoas citaram o Anticristo, como se o cenário estivesse pronto para ele. Mas ele aparece no primeiro selo com a seguinte referência bíblica: "E, havendo o Cordeiro aberto um dos selos, olhei e ouvi um dos quatro animais, que dizia, como em voz de trovão: Vem e vê. E olhei, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso e para vencer" (AP 6:1,2). Dessa forma, ele precisa reinar antes dos sinais cosmológicos descritos, sendo o primeiro dos selos.
    Pois bem, vemos que esses fenômenos, apesar de estarem em feriados judaicos, nada tem a ver com o Apocalipse. Se você acha que sim, escute a mensagem de Jesus: Arrependei-vos e preparem-se para o dia em que Ele nos chamará, pois Ele nos promete que não veremos estes sinais (AP 3:7). Não temos, pois, que temer, temos que anunciar a verdade e mostrar que Deus nos fala a cada dia e que esses sinais são normais. Shalom a todos.

Bibliografia:
BUTER JR., A. Loyd, Bíblia de Estudo Defesa da Fé, CPAD, Rio de Janeiro, 2010.
http://fatosdesconhecidos.com.br/post/estao-preparados-para-as-luas-sangrentas/1639
http://www.agapereconciliacao.com.br/v3/artigo.asp?id=96
http://3.bp.blogspot.com/-0DE5Q23GOlM/TuKx-Ke0BSI/AAAAAAAAALc/oSu7Bz4TpZk/s1600/A-lua-vermelha.jpg

sábado, 1 de março de 2014

Textos bíblicos sobre o Carnaval

"Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus" (Romanos 8:6-8).

"Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas me convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma" (1 Coríntios 6:12 cf. 10:23).

"Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor" (Gálatas 5:13).

"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus" (Gálatas 5:19-21).

"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O Espírito que em nós habita tem ciúmes" (Tiago 4:4,5).

"Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte" (Provérbios 14:12).

"Aborreço, desprezo as vossas festas, e as vossas assembleias solenes não me dão nenhum prazer" (Amós 5:21).

"Ai dos que puxam pela iniquidade com cordas de vaidade e pelo pecado, como se fosse com cordas de carros! E dizem: Apresse-se e acabe a sua obra, para que a vejamos; e aproxime-se e venha o conselho do Santo de Israel, para que o conheçamos. Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridão luz, e da luz, escuridade, e fazem do amargo doce, e do doce, amargo" (Isaías 5:18-20). 

Bibliografia:
STAMPS, Donald, Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, Rio de Janeiro, 2008.